Lesões do lábio superior (lesões SLAP)

O que é a lesão do lábio superior (SLAP)?

Para entender a lesão do lábio superior é necessário uma breve orientação sobre a anatomia do ombro e do bíceps. O lábio é uma fibrocartilagem que é fixo na articulação em 360°, como se fosse a borda de um prato. Ele tem diversas funções, mas a principal é aumentar a estabilidade do ombro, evitando que ele se desloque com os movimentos. Clique aqui para saber mais sobre a anatomia do ombro. O bíceps é um músculo do braço que se origina de 2 locais diferentes e se insire no cotovelo. Um desses locais de origem está dentro da articulação do ombro, mais precisamente na parte de cima da glenóide (nome dado a parte da escápula da articulação). O bíceps não se origina diretamente do osso, mas da parte mais superior do lábio (como se fosse ao meio dia de um relógio), que está "grudado" ao osso. O SLAP ocorre quando há uma lesão do lábio nessa sua porção superior, justamente onde há a origem do bíceps. O SLAP pode ser causado por um trauma no ombro, nas luxações do ombro ou por movimentos repetitivos semelhantes ao arremesso, sendo uma das lesões da síndrome do ombro do arremessador

SLAP 01.jpg
Lesão do lábio superior

Lesão do lábio superior

Qual é a consequência da do SLAP?

Durante movimentos de rotação externa do braço (posição de preparo do arremesso), o tendão da cabeça longa do bíceps exerce um movimento de rotação junto com o ombro. No ombro normal isso não causa repercussão. Mas no ombro com SLAP, essa rotação pode "descascar" o lábio e gerar dor. Essa dor inicialmente ocorre na posição de preparo do arremesso e pode piorar progressivamente por causa de uma inflamação do bíceps (tendinopatia do bíceps), gerando dor mesmo ao repouso.

Mecanismo de pell-back da lesão de SLAP

Como é feito o diagnóstico da lesão do lábio superior (SLAP)?

O diagnóstico do SLAP não é simples. Existem diversos testes de exame físico que podem sugerir a lesão, mas em geral não são específicos para o SLAP (ou seja, podem ser positivos em outras doenças como as lesões dos tendões do manguito rotador). A ressonância magnética é o principal exame para o diagnóstico e, eventualmente, pode ser necessário o uso de contraste intra-articular (injeção de contraste dentro da articulação) para melhorar a sensibilidade do exame.

Ressonância magnética

Quais os tipos de lesão do lábio superior (SLAP)?

A lesão SLAP pode ser isolada ou associada a outros problemas. A associação mais comum é com a luxação do ombro, que também gera uma lesão do lábio, mas na sua porção mais inferior (das 3 às 6 horas de um relógio). O SLAP também pode fazer parte do ombro do arremessador, que apresenta outras lesões e características. Lesões dos tendões do manguito rotador também pode apresentar estar associadas. Existem diferentes tipos de lesão de SLAP. As lesões mais comuns e menos graves são as degenerativas, ou seja, existe apenas uma alteração leve no lábio superior. Essas são as lesões que normalmente estão associadas às lesões do manguito rotador ou ocorrem nos pacientes sedentários acima de 50 anos e não precisam de tratamento, pois não são fonte de dor. As lesões com potencial problema são aquelas em que o lábio se solta do osso e naquelas em que o tendão do bíceps está lesado. Essas lesões podem ser dolorosas e dificultar algumas atividades, principalmente aquelas com o braço para cima e para trás (posição do arremesso).

Tipos de lesão do lábio superior (SLAP)

Tipos de lesão do lábio superior (SLAP)

Qual é o tratamento da lesão do lábio superior (SLAP)?

Nem todas as lesões de SLAP precisam de tratamento. Muitos pacientes tem essa lesão e não tem sintomas ou limitações. Nos indivíduos que praticam esportes e principalmente os arremessadores essa lesão pode gerar limitação funcional, com dimimuição do rendimento esportivo, por perda de força no arremesso ou por dor. Nesses pacientes é necessário um tratamento. A reabilitação é o tratamento de escolha e deve ser feito em todos os casos antes de se discutir sobre a cirurgia. O objetivo da reabilitação é corrigir contraturas do ombro, melhorar a força dos tendões e auxiliar na diminuição de eventuais processos inflamatórios. Além disso, a correção do gesto esportivo é essencial para evitar que a dor ocorra novamente. A reabilitação não corrige a lesão do lábio, que não cicatriza sozinho, mas pode ser suficiente para aliviar a dor na maioria dos casos.

Como é o tratamento cirúrgico da lesão do lábio superior (SLAP)?

Na minoria dos casos de lesão de SLAP que não apresentam resposta com a reabilitação ou nos casos de dor recorrente ou na perda de desempenho esportivo, o tratamento cirúrgico pode ser indicado. A presença de uma lesão SLAP isolada no paciente com pouca dor ou nos pacientes em que a dor é proveniente dos outros tendões, a cirurgia não é recomendada. Nos casos de luxação do ombro, o SLAP pode ser corrigido na mesma cirurgia de correção da luxação Existem 2 opções principais de cirurgia: o reparo da lesão ou a tenodese do bíceps. Ambas podem ser feitas por artroscopia (vídeo), de modo minimamente invasivo. O reparo da lesão de SLAP é realizado atraves da sutura do lábio no osso, feita através do uso de âncoras. Os resultados são satisfatórios, mas o tempo de recuperação é prolongado e há um risco de rigidez ou limitação do movimento de rotação externa do ombro. A tenodese do bíceps é outra opção. Nesse procedimento, o tendão do bíceps é cortado de seu local original (lábio superior) e é reinserido em um túnel no úmero (através de âncoras ou parafusos). O risco de rigidez é menor e a chance de melhora da dor é maior que nos casos de reparo do SLAP, mas existe um pequeno risco de perda de potência no arremesso para os atletas de alta performance.

Opções de tratamento cirúrgico para as lesões do lábio superior (SLAP)

Opções de tratamento cirúrgico para as lesões do lábio superior (SLAP)

 

Quais as principais complicações da lesão do lábio superior (SLAP)?

A maior complicação dessas lesões é a dor e diminuição do rendimento nos esportes de arremesso. O desenvolvimento de um cisto no ombro pode ocorrer nessas lesões. São cistos benignos, formados através de um mecanismo de válvula, em que o líquido articular "vaza" do ombro e não retorna, acumulando-se em uma área próxima, mas fora, da articulação. Esses cistos quando pequenos não geram complicações, mas se grandes, podem comprimir um nervo que passa próximo da articulação, chamado de nervo supraescapular. Nos casos de compressão do nervo, pode haver perda de força para rodar o ombro externamente e uma cirurgia pode ser necessária.

Cisto paralabial (ou paralabral) causado pela lesão de SLAP

Cisto paralabial (ou paralabral) causado pela lesão de SLAP

Bursite, tendinite e a síndrome do impacto do ombro

O que é a síndrome do impacto do ombro, a bursite e a tendinite?

A bursite é a inflamação da bursa, que é uma bolsa serosa que tem a função de facilitar o deslizamento dos tendões do ombro. Ela é considerada por muitos a causa da doença, o que não é correto. Ela é a consequência de algo de errado que está ocorrendo no ombro, que na maioria dos casos é a doença chamada de síndrome do impacto. A tendinite ou tendinopatia é a inflamação do tendão. No ombro, os tendões mais comumente inflamados são os tendões do manguito rotador (supraespinal, infraespinal, subescapular e redondo menor) e o tendão da cabeça longa do bíceps. Saiba mais sobre a anatomia do ombro.

ombro+03.png

Existem diversas doenças que causam a bursite e a tendinite, mas a mais comum é conhecida como "Síndrome do Impacto do Ombro". Ela surge de alterações no osso chamado acrômio, considerado o "teto" do ombro, que fica logo acima dos tendões e da bursa (tecido que reveste os tendões). Alguns indivíduos podem desenvolver um "esporão" no acrômio ou possuir esse osso em forma curva ou em gancho e, durante alguns movimentos, pode ocorrer um atrito nos tendões e na bursa.

Diferente tipos de acrômio

 

Quais as conseqüências da síndrome do impacto?

Com a evolução da doença, a bursa e os tendões (conhecidos como tendões do manguito rotador) podem sofrer um processo inflamatório, que vai gerar a dor no ombro. Se não tratadas, as alterações podem evoluir para problemas ainda mais graves. Surgem, dessa maneira, as lesões dos tendões, mais comuns nos indivíduos acima de 50 anos de idade ou em pacientes que apresentavam uma tendinite grave e sofreram um trauma. Essas lesões podem ser inicialmente parciais e evoluirem para lesões completas ou transfixantes, em que o tendão perde sua inserção no osso. As lesões transfixantes são mais graves e não cicatrizam sozinhas. e, em geral, necessitam de um procedimento cirúrgico para sua correção.

Como evitar a síndrome do impacto?

A formação do "esporão" ou um formato curvo do teto do ombro (acrômio) não pode ser evitada. Porém existem 3 medidas que podem melhorar esse atrito entre os tendões e o acrômio.

  • Evitar movimentos com o braço acima da altura dos ombros (90° de abdução ou flexão).

  • Fortalecer os músculos dos tendões do manguito rotador. O fortalecimento dos rotadores externos e internos melhora a coaptação da articulação. Durante a elevação do ombro, existe uma força feita pelo músculo deltóide que traciona todo o osso do úmero para cima. Com a contração dos tendões do manguito, essa força é melhor balanceada e o úmero permanece no seu local de origem, diminuindo a chance de impacto.

  • Melhora da postura nos indivíduos com os ombros posicionados para frente (protração da escápula)

 

Qual é o tratamento para a síndrome do impacto?

Além das medidas de prevenção descritas acima, o tratamento tem 2 objetivos: diminuir o processo inflamatório e reequilibrar a força e o alongamento do ombro. Para diminuir a inflamação, diversas medidas podem ser utilizadas dependendo de cada caso. O uso do gelo é recomendado quando tolerado. Medicações anti-inflamatórias por via oral ou injetável podem ser utilizadas. O reequilíbrio da força e do alongamento é feito tradicionalmente através de fisioterapia. Exercícios de alongamento e de fortalecimento são necessários e devem ser individualizados para cada caso. Nos casos em que a dor é muito importante e não regride com as medidas iniciais, uma infiltração pode ser realizada para diminuir a inflamação.

Como é a cirurgia para a síndrome do impacto?

A cirurgia é indicada para a minoria dos casos. A reabilitação deve ser feita corretamente e, na maioria dos casos, gera resultados satisfatórios. No entanto, alguns pacientes não obtém uma melhora da dor e função. Após uma avaliação detalhada do médico especialista em ombro, uma artroscopia (cirurgia por vídeo) pode ser indicada. Nela é feita uma "limpeza" da região acima dos tendões, com ressecção da bursa e do esporão do acrômio. Além disso, é feita a inspeção de todo o ombro e possíveis lesões não vistas nos exames podem ser diagnosticadas e tratadas, como as lesões parciais dos tendões.

Artroscopia para síndrome do impacto. Raspagem do acrômio (acromioplastia)

Artroscopia para síndrome do impacto. Raspagem do acrômio (acromioplastia)